Em resposta ao Raj: as mulheres e o mundo nerd

Ana Melo
Por Ana Melo
06/04/2015

No episódio 8×18 de The Big Bang Theory, “The Leftover Thermalization”, quando o grupo se reúne para um jantar, que decidem transformar em uma espécie de “salon” (debate intelectual), Raj propõe o seguinte tema:

“A protagonista em Jogos Vorazes é uma mulher. A Marvel transformou Thor em uma mulher. Isso é um sinal de que nossa sociedade está chegando a uma igualdade de gêneros?”

Embora os personagens comentem um pouco, esse assunto acaba morrendo na cena. Então, resolvi continuá-lo aqui.

 As personagens

Pra começar, é irônico que essa questão tenha sido levantada em uma série que propõe o tema nerd, mas na qual as mulheres raramente mostram interesse por HQs, filmes, livros, etc.

penny-bernadette-amy-big-bang-theory

Das três principais personagens do sexo feminino, Amy é a mais inteligente – porém, nunca é mostrada como atraente; Penny, por outro lado, é a típica “loira burra” – embora, na última temporada, tenham mudado um pouco a personagem, como o cabelo, as roupas e o emprego. (Mesmo assim, nesse mesmo episódio ela até pergunta quem é Thor, o que, além de tudo, é um erro de continuidade ao episódio 6×13, ocasião em que as mulheres discutem com veemência o enredo da HQ.) Bernadette é, provavelmente, a mais equilibrada: é cientista e bonita. Porém, a julgar pelas suas roupas, a série não parece mostrar muito o último lado. Isso dá a impressão de que as mulheres só podem ser bonitas ou inteligentes – não dá pra ter as duas coisas.

star-wars-mulheres-feminismo

A Aliança Rebelde precisa de você, mulher

Claro, isso não é exclusividade de The Big Bang Theory. Em várias séries, filmes e livros, ainda falta um “girl power”. Percebi claramente isso há um tempo, quando estava ajudando a escolher um nome para um gatinho, que seria nomeado em homenagem a algum personagem memorável do mundo nerd. Pensei em Vader, Marvin, Gandalf, Dexter, House, e continuaria pensando, mas daí descobri que era fêmea. Leia? Hermione? Não? Então… hum…

Do outro lado da tela
Toda essa situação, entre outros fatores, contribui para que o mundo nerd ainda seja muito voltado aos homens. Dificilmente se acha uma camiseta com estampa nerd para mulheres, a não ser em lojas específicas dessa temática. E, mesmo quando acho, hesito em usar, pois me sinto estranha ou até – embora odeie dizer isso – menos feminina ou bonita, e acabo muitas vezes colocando um vestido em vez daquela babylook legal de Death Note.

Nos eventos nerds, as mulheres que fazem cosplay com roupas mais “sexy” são alvo de críticas e assédios – mesmo que em muitos jogos seja difícil encontrar uma personagem que não se vista assim. E, com ou sem cosplay, sempre tem alguém pra nos chamar de “attwhore”, dizendo que não somos “fãs de verdade” e que só estamos lá para impressionar os homens.

Enfim, como Raj disse no episódio, estamos progredindo. Mais ainda há muitos problemas. Então, enquanto as mulheres não puderem entrar em um ambiente nerd sem se sentir como a Penny na cena em que ela vai à loja de gibis pela primeira vez, não se pode realmente falar em igualdade.