Fã-clubes no Animextreme: a força da paixão compartilhada

Ana Melo
Por Ana Melo
18/10/2015

Quando Adriano Beidacki começou a participar do Conselho Jedi RS, sua ideia era apenas compartilhar seu gosto por Star Wars. No entanto, foi em um de seus eventos, no meio de cosplays de Jedi, que ele conheceu a mulher com quem, anos mais tarde, se casaria vestido de Anakin, e ela, de Padmé.

Veja também:

> Galeria de cosplay do primeiro dia do Animextreme

Em eventos como o Animextreme, os fã-clubes de séries, livros, filmes e jogos são sempre uma das principais atrações. É nas salas temáticas que você pode ter um duelo de varinhas, tirar uma foto dentro da TARDIS, conversar com alguém que entenda seu ódio pelo Jar Jar Binks ou comprar aquela camiseta legal que estava desejando há meses. Porém, mais do que isso, os fã-clubes também são lugares onde, a partir de uma paixão em comum, começam grandes amizades.

barbara-animextreme

É o caso de Bárbara Cardoso. Na época em que estava lendo As Crônicas de Gelo e Fogo, ela e seu namorado sentiram a necessidade de conversar com outras pessoas sobre a série. “Quando a gente vinha no AnimeXtreme, com camisetas de Game of Thrones, e encontrava o pessoal, todo mundo reclamava que a gente não tinha um espaço, não tinha um grupo. Então, resolvemos organizar um”, contou.

Leia também:

> Odisseia Itinerante marca primeiro dia do Animextreme

Foi assim que surgiu, em 2012, o Dracarys RS, que Bárbara coordena até hoje. A sala temática promove diversas atividades, incluindo quizes, gincanas e sorteios, além de vender produtos relacionados à série. Para Bárbara, porém, a importância do fã-clube vai além. “Eu conheci muitas pessoas muito legais, com quem a gente mantém contato e troca muita informação sobre a série. Então, virou uma coisa bem grande, mas, ao mesmo tempo, muito amigável”, disse.

lindsay-animextreme

A mais nova integrante do fã-clube Cavaleiros dos Pampas, Lindsay Wolf, está tendo uma experiência semelhante. Mesmo morando em Osório, a mais de 100 quilômetros da capital gaúcha, Lindsay não hesitou em participar quando soube, por seu amigo, que o grupo estava com uma vaga. “Como eu gosto de Cavaleiros do Zodíaco desde os cinco anos de idade, resolvi me integrar ao grupo por paixão, por ser muito fã”, contou.

Veja também:

> Galeria de cosplay do segundo dia do Animextreme

Embora esteja há apenas um ano no fã-clube, Lindsay já se sente muito próxima da equipe e, apesar da distância, os encontra em eventos, como no Animextreme, e em reuniões nas casas dos amigos. “Eu fiz muito mais amizades aqui. Tem muita interação, conversamos diretamente com as pessoas, em vez de ficarmos só mexendo no celular – é uma coisa que tá faltando hoje em dia, a meu ver”, disse.

luka-animextreme

Para Luka Vargas, coordenador do fã-clube de Harry Potter Herdeiros de Sonserina, o impacto foi ainda maior. Há quatro anos, ele descobriu o grupo após assistir, na televisão, a uma matéria sobre fã-clubes de Harry Potter em São Paulo. “Eu vi aquilo e pensei: ‘bah, eu quero!”, contou.

Assim, Luka começou a procurar grupos gaúchos, e descobriu o Encontro Potteriano, evento promovido pela Herdeiros na livraria Saraiva do BarraShoppingSul. Assim, ele conheceu a equipe, e, pouco depois, foi também em um Baile de Inverno, festa que imita a do livro e filme Cálice de Fogo, fazendo cosplay da personagem Vitor Krum. A partir daí, foi se interessando cada vez mais e começou a participar e a ajudar na organização.

Veja também:

> Galeria de Cosplay do terceiro dia do Animextreme

Como Bárbara e Lindsay, Luka conheceu várias pessoas através do fã-clube, e o apoio dessas amizades foi fundamental para sua vida. “Houve uma mudança muito drástica, desde que comecei a participar do grupo, que foi eu aceitar a minha sexualidade. Afinal, aqui é um fã-clube muito aberto, todo mundo é muito pra cima e muito resolvido”, comentou.

Da JediCon ao altar, o Conselho Jedi RS teve também um papel fundamental para Adriano Beidacki. O grupo começou a partir de um interesse de conversar com outros fãs de Star Wars, já que, na época, o contato era apenas pela internet. Assim, em 2002, surgiu o fã-clube em São Paulo e no Rio de Janeiro e, mais tarde, também no Rio Grande do Sul.

A sala temática é sempre um destaque nos eventos de cultura nerd. Ela conta com cenários para fotos, sorteios e produtos à venda, além de atrair vários cosplayers. Além de participar de eventos como o Animextreme, a equipe promove, na Usina do Gasômetro, a JediCon, convenção para reunir fãs da saga.

Em 2008, Sheila Leonel ajudou a organizar o evento, e foi lá que conheceu Adriano. Dois anos mais tarde, eles se casaram, vestidos de personagens da série. “O Conselho Jedi RS teve um impacto muito grande pra mim. Afinal, eu me casei por causa do fã-clube”, concluiu ele. Hoje, os dois são coordenadores do grupo, que continua a atrair e a unir os fãs.

adriano-e-sheila-animextrem