Star Wars Comics – Arco I: Clássicos, Vol. 1-12

Jefferson Nunes
Por Jefferson Nunes
13/07/2015

A série de HQs Star Wars Comics, da Planeta DeAgostini, está a pleno vapor, e, com o terceiro arco chegando ao fim, resolvi iniciar uma análise mais pormenorizada da coleção. Primeiramente, vou fazer um post geral sobre o primeiro dos arcos, os Clássicos, seguido por posts individuais de cada volume.

> Leia todos os posts sobre Star Wars

Iniciando bem a coleção, esse arco composto por 12 volumes reúne as histórias de Star Warsproduzidas no período de 1977 a 1986. Tem seu marco fundador com a adaptação do Episódio IV – Uma Nova Esperança, pela Marvel, que deteve por vários anos o monopólio de HQs da saga, e término com o período de ascensão da Nova República, após a queda do Império.

AS HISTÓRIAS

O primeiro período de histórias da saga, com a coleção A Long Time Ago, foi importante para a popularização de SW e também par0a o crescimento e consolidação do Universo Expandido, que teve, a partir de então, um desenvolvimento substancial, tanto em quantidade quanto em qualidade das histórias. Esse primeiro arco de HQs passa por variações de estilo, tanto nos gráficos quanto nos roteiros, mas sem perder a linha geral.

Os volumes contêm, além da adaptação do Episódio IV, a adaptação dos Episódios V – O Império Contra-Ataca e VI – O Retorno de Jedi da franquia, formando, assim, um panorama completo do período cinematográfico clássico de SW. Mas esses 12 volumes vão além: apresentam histórias originais, que expandem sobremaneira as aventuras vividas pela Aliança Rebelde, e revelam muitas situações que geraram crescimento para os personagens.

Muitas situações de perigo mostram que o Império Galáctico não era a única força sombria na Galáxia, recheada de personagens sádicos movidos pelos seus próprios interesses e com sede pelo poder e pela riqueza. Desta forma, quebra-se a ideia de que a Aliança ficava 100% do tempo lutando contra o Império, e percebe-se o quão difícil era manter, suprir e administrar uma rebelião de grandes proporções em uma Galáxia nem sempre amigável.

Um dos grandes trunfos dessas histórias é a mostra de novos mundos interessantes, cheios de raças estranhas e de situações adversas, onde aliados são encontrados nas mais surpreendentes situações. Além disso, os eventos não se chocam em nada com os dos filmes, gerando inclusive encontros entre personagens como Darth Vad er e Luke Skywalker, semque isso atrapalhe a integração dessas histórias ao universo cinematográfico de George Lucas.

PRINCIPAIS ROTEIRISTAS E DESENHISTAS 

Uma grande quantidade de artistas participou da construção dessas primeiras histórias, imprimindo nelas sua marca, sendo os roteiros produzidos majoritariamente por Archie Goodwin e Roy Thomas. Dentre os artistas, alguns são: Carmine Infantino, Bob Wiacek, Terry Austin e Gene Day.

As histórias foram recompiladas pela Dark Horse, grande publicadora de histórias da franquia, e recoloridas por artistas da editora. Isso garantiu uma maior qualidade do produto final, e foi um belo presente para os fãs da franquia.

AVALIAÇÃO

O pontapé inicial das HQs de SW foi um marco no mercado editorial, que permitiu a expressão e expansão constante da criatividade dos fãs e entusiastas da saga. Eles encontraram nesse meio a forma de expressar suas ideias originais, visando um constante crescimento do conhecimento deste imenso universo em constante expansão.

Como declarou George Lucas em uma clássica citação, ao lançar o Episódio IV ele percebeu as imensas possibilidades para histórias complementares e paralelas que a nossa querida galáxia muito distante apresentava, sendo este um campo quase ilimitado. A reunião dessas primeiras histórias em um só arco é algo muito interessante, 13já que permite uma visualização clara das diferenças ocorridas em termos de gráficos e roteiro com o passar do tempo. Um belo início para essa vasta coleção.