Cavaleiro das Trevas: uma breve visita pré-Batman vs Superman

Gustavo Kaspary
Por Gustavo Kaspary
23/03/2016

capa-batman-Cavaleiro-das-TrevasEscrever sobre o maior confronto (não o único, porém) entre Batman e Superman é algo já saturado. A versão de Frank Miller do cruzado encapuzado é tão festejada e venerada que retomar o mesmo assunto costuma ser chover no molhado. A situação é, agora, diferente, entretanto: à véspera da estreia do filme Batman Vs Superman- A Origem da Justiça, uma visita a O Cavaleiro das Trevas torna-se uma tarefa interessante, como uma espécie de prólogo ao tão esperado filme.

Claro que Cavaleiro das Trevas não se resume ao embate Batman/Superman, longe disso. E, embora contradiga o título, os trailers de Batman Vs Superman mostram que o filme também não se trata apenas disso. A luta, porém, continua sendo o clímax de toda a história de Miller e um dos momentos mais emblemáticos da HQ, senão o maior. Para tanto, o cenário, o ambiente e o pano de fundo do embate são pontos importantíssimos na construção de toda a tensão necessária.

Temos, em Cavaleiro das Trevas, uma era sem super-heróis ou heróis. O Estado os proibiu de atuar e permitiu apenas Superman na ativa. Este, porém, age como uma marionete do governo, uma espécie de representação do soldado que segue ordens sem questionar. A Liga já não existe mais e as lembranças da antiga formação, os já esquecidos sonhos de justiça, proporcionam à trama um sentimento de nostalgia e rancor que perpassam toda a história. Tal rancor estampado em cada personagem: enquanto Superman continua com o peito estufado, demonstrando jovialidade e força, os companheiros deixados para trás estão velhos, decrépitos, carregam na face a raiva do passado que os condenou ao esquecimento. O tempo passou, nos dizem os personagens.

Veja também:

> HQ Red Son: quando o Super Homem foi comunista

batman-vs-supermanBruce Wayne, porém, é a voz dos heróis oprimidos. Exprime de maneira clara esse pesar e indignação e o conflito contra Clark é o acerto de contas, a explosão de todo o ressentimento. E, dito isso, fica claro que, embora o teor político acompanhe o ambiente de O Cavaleiro das Trevas, o confronto entre Batman e Superman é mais sobre o passado, sobre assuntos não resolvidos. Ao passo que, em Entre a Foice e o Martelo, o combate beira o épico, O Cavaleiro das Trevas opta por uma abordagem mais detalhista: não que não haja luta corporal na HQ de Miller, mas sim que cada golpe é acompanhado por uma reflexão. Uma frase, parece dizer O Cavaleiro das Trevas, pode ser mais nociva do que um soco.

 “Poderíamos ter mudado o mundo… Agora, olhe só para nós… Eu me tornei um risco político… E você… Você, uma piada.”

Batman Vs Superman: A Origem da Justiça talvez peque neste quesito: é o primeiro encontro entre os gladiadores no cinema, e a ausência do passado como principal fomento ao rancor é, possivelmente, o ponto que mais distingue o confronto da HQ daquele do filme. O filme, reforço a ideia, não tem a obrigação de  fidelidade à HQ, nem ao menos é uma adaptação assumida da mesma, mas encontra nela a grande fonte para a luta entre o filho de Krypton e o morcego de Gotham. A comparação, logo, é inevitável.