Assista a Luna 13, curta gaúcho de sci-fi

Eduardo Nunes
Por Eduardo Nunes
27/01/2017

Lançado no fim de 2016, o filme de curtametragem Luna 13, dirigido por Filipe Barros com roteiro de Fabricio Cantanhede, é uma obra gaúcha de ficção científica produzida pela Colateral Filmes.

Escrito em forma de mockumentary (aquelas obras de ficção feitas para parecerem um documentário real), o filme mostra a jornada do jovem Igor e do seu pai ao passado, para documentar a vida do avô Guilhermino e os misteriosos acontecimentos que tiveram impacto decisivo sobre os rumos da família.

Em uma cidadezinha do Interior, Igor entrevista diversas pessoas que conviviam como Guilhermino e o tinham como louco. Esmiuçando, além dos depoimentos, os manuscritos e uma misteriosa esfera deixados pelo velho professor, Igor e seu pai descobrem a verdade sobre a obsessão do patriarca pelo céu e por estudos de naves e discos voadores.

O que teria acontecido, de verdade, na noite em que a vida de Guilhermino mudou para sempre? E essa descoberta conseguirá curar as feridas abertas e que perpassam três gerações?

Barros e Cantanhede conseguiram criar uma história envolvente, que toca em temas caros aos fãs de sci-fi de um modo instigante e verossímil. O formato de mockumentary compensa a carência de aparato técnico e o orçamento modesto.

De um modo geral, exceção feita à seleção do elenco (pessoalmente, acho que a história, que abrange um intervalo tão longo de tempo, pede atores mais velhos), gostei bastante do filme, uma grata surpresa no circuito independente e regional de cinema.

Neste sábado, 28/01, o filme terá exibição comentada no Santander Cultural, em Porto Alegre. Para informações, clique aqui.

Assista a Luna13 e tire suas próprias conclusões: